Dia de S. André: Papa saúda ortodoxos e envia mensagem a Bartolomeu

Cidade do Vaticano (RV) – “No dia de Santo André, gostaria de cumprimentar a Igreja de Constantinopla e o Patriarca Bartolomeu, na festividade desta ‘Igreja-irmã’ – Pedro e André, juntos – e desejar todo o bem possível, todas as bênçãos do Senhor e um grande abraço”: Foram as palavras ditas espontaneamente pelo Papa na conclusão da audiência desta quarta-feira, 30 de novembro.

A cada ano, nesta data, uma delegação católica participa das celebrações de Santo André em Istambul; e no dia 29 de junho, uma comitiva ortodoxa celebra em Roma a festividade dos Santos Pedro e Paulo.

“Que a corrida de André ao sepulcro recorde a vocês, queridos jovens, que a nossa vida é uma peregrinação rumo à Casa do Pai; que sua força ao enfrentar o martírio ampare vocês, queridos enfermos, quando o sofrimento parecer insuportável; que sua apaixonada sequela do Salvador os induza, queridos noivos, a colher a importância do amor em sua família”.

Em Istambul, liderando a delegação da Santa Sé, o Cardeal Kurt Koch participa das celebrações no Patriarcado Ecumênico.

ansa704789_articolo

A mensagem do Papa

Na solene Divina Liturgia presidida por Bartolomeu, na igreja patriarcal de São Jorge, o cardeal suíço, Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, entregou e leu ao Patriarca uma mensagem assinada pelo Papa Francisco.

Para o Pontífice, as visitas recíprocas são um “sinal visível do profundo elo que une ortodoxos e católicos; e expressam o desejo de uma comunhão sempre mais profunda, até o dia em que, segundo os desejos de Deus, testemunharemos o nosso amor mútuo dividindo a mesma mesa eucarística”.

Conflitos do passado e diálogo do presente

“A história das relações entre os cristãos, contudo, foi marcada por conflitos que deixaram marcas na memória dos fiéis. Por esta razão, alguns se apegam a atitudes do passado”, constata Francisco na mensagem.

“Graças ao processo de diálogo, ao longo das décadas, começamos a nos reconhecer como irmãos, a valorizar nossos dons, a servir a humanidade e a causa da paz, promover a dignidade do ser humano e o valor inestimável da família; e proteger os mais necessitados, assim como a Criação, nossa Casa Comum”.

Caminho rumo à reconciliação entre todos

O Papa ainda ressaltou a importância de estudos e documentos recentes, auspiciando a reconciliação entre cristãos do Leste e do Oeste, e relembrou o encontro de líderes cristãos e de outras tradições religiosas em Assis (Itália), em 20 de setembro passado.

Concluindo, Francisco assegura a Bartolomeu suas orações cotidianas e melhores votos de paz, saúde e bênçãos a todas as pessoas confiadas ‘a seus cuidados’.

Fonte: Rádio Vaticano – Programa Brasileiro.